ELE TROCOU DE LUGAR COMIGO

C. D. Cole

"Aquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus". 1 Coríntios 5:21.

Falando sobre o Senhor Jesus Cristo, Paulo diz: "Aquele que não conheceu pecado, (Deus) o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus". Noutras palavras o grande Apóstolo está dizendo que Deus Pai tratou Jesus Cristo, o Filho, como um pecador ou pessoa injusta, para que nós pecadores pudéssemos ser tratados como justos.

Um missionário estava pregando certa vez para um grupo de nativos de um país estrangeiro. Ao encerrar a mensagem, quis saber se todos a tinham entendido ou não. Por isso pediu-lhes que dissessem em suas palavras o significado de tudo o que tinham ouvido. O chefe da tribo levantou-se e disse: "Significa que o Senhor Jesus trocou de lugar comigo". Posso dizer que esta afirmação põe a salvação do modo mais claro que a linguagem humana possa entender. Aquele que não tinha pecado tomou o lugar dos pecadores, ficando sob Lei Santa de Deus, para que os pecadores pudessem ter o lugar de filhos diante de Deus Pai. Jesus Cristo, o Filho Justo de Deus, tomou o lugar dos culpados levando os pecados deles em Seu próprio corpo, na cruz do Calvário. Jesus, que era rico, tornou-Se pobre por nossa causa, para que pela Sua pobreza nos tornássemos ricos. Cristo morreu como Justo pelos injustos, para que pudéssemos achar favor diante de Deus.

Perguntaram a certo homem se ele queria ser salvo, ao que respondeu "Sim se Deus puder me salvar sem cometer erros". Este homem era um pensador. Ele pensava ser um problema um Deus justo salvar pessoas injustas. Notava que um Deus justo tem que castigar o pecado. Confessou-se um pecador, e se Deus fosse justo ao tratar com ele, teria que castigá-lo por causa dos seus pecados. Jó há muito tempo atrás, teve o mesmo problema e o expressou assim: "Como se justificaria o homem para com Deus?" Seu raciocínio seguia o mesmo padrão: "Se Deus é santo e justo, e todos os homens pecadores e merecem castigo, como podem ficar, justamente, sem serem castigados?" A resposta está na verdade bendita e gloriosa do Evangelho. O Filho de Deus trocou de lugar com os homens pecadores, redimindo-os da maldição da lei, fazendo-Se maldição por eles.

Ao trocar de lugar conosco, Ele tomou nosso lugar sob a lei de Deus, obedecendo-a por nós. O pecador é salvo pela obediência, mas não a sua própria. Romanos 5:19 diz: "Porque, como pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de um, muitos serão feitos justos". Se obedecêssemos à Santa Lei de Deus seríamos justificados por nossos próprios méritos. Deus nunca vai castigar um homem justo. Se for achado um homem que nunca tenha pecado, este homem viverá diante de Deus como um caso de justiça. Ele não vai precisar de graça nem de misericórdia, mas só de justiça. A verdade, porém, é que tal homem jamais existiu, a não ser o Filho de Deus. A Bíblia é muito clara quando diz que todos pecaram, que não há quem faça o bem, que não há nenhum justo, nem mesmo um só.

O chefe de polícia de uma certa cidade recebeu uma carta de uma senhora, a qual lhe pedia que a colocasse em contato com um homem perfeito, para um possível casamento. O chefe fez uma coisa muita sensata: mandou a carta para o Departamento de Pessoas Desaparecidas. Não existe o homem perfeito, e não há nenhum tipo de Departamento que possa loca1izá-lo nesta terra. Os crentes que já morreram, cujos espíritos já são perfeitos, estão agora no céu.

Mas já existiu um homem perfeito: o Senhor Jesus Cristo. E Ele cumpriu a lei pelos pecadores e todos aqueles que confiam nEle têm Sua justiça, que Ele mesmo providenciou, e assim podem ser justificados diante de Deus. "Portanto agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus". Romanos 8:1.

O Senhor Jesus foi obediente até à morte; isto é, Ele foi obediente todos os dias de Sua vida aqui na terra. Jamais teve um pensamento pecaminoso; jamais cometeu uma só coisa egoísta ou pecaminosa; nunca pronunciou uma só palavra em vão. Ele fez a vontade de Deus em tudo e por tudo, e em todos os lugares. Já próximo de morrer, pode dizer verdadeiramente: "Eu glorifiquei-te na terra, tendo consumado a obra que me deste a fazer". João 17:4. Vamos lembrar que tudo foi feito por nós, para que pudéssemos ser justificados diante de Deus. Rejeito com repulsa qualquer religião que acrescenta a mínima coisa ao sangue precioso de Cristo, como base para salvação. A Bíblia diz que é o sangue de Cristo que nos purifica de todo pecado, I João 1:7. A mesma Bíblia diz que após ter purificado por Si mesmo os nossos pecados, Ele sentou à direita da Majestade nas alturas, Hebreus 1:3. E o pecador remido se deleita ao confessar: "Nada trago em minhas mãos, simplesmente agarro-me à Tua cruz".

O Senhor Jesus Cristo foi obediente até à morte; isto é, Ele obedeceu à custa de Sua própria vida. As palavras "ate a" denotam tempo e grau. O tempo de Sua obediência foi até à morte; o grau desta obediência foi à custa de Sua vida. Ao trocar de lugar com os pecadores, Cristo teve que cumprir a lei santa de Deus por todos os nossos pecados. Como pecadores éramos responsáveis para cumprir a lei de Deus, que fora quebrada. Mas isto significaria nossa ruína eterna, porque "o salário do pecado é a morte". Como Salvador, Jesus Cristo pagou nossa conta, e como crentes nEle, regozijamo-nos ao cantar: "Jesus pagou tudo. Devo tudo a Ele".

Vamos dar uma olhada mais profunda no significado da morte de Cristo. Ele morreu de um modo que denotava uma maldição. Em Sua morte, Ele estava sendo amaldiçoado por Deus. Em Gálatas 3:13, Paulo diz: "Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós, porque está escrito: "Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro". E então o Apóstolo acrescenta uma citação de Deuteronômio 21:23 que diz: "Porquanto o pendurado é maldito de Deus". Ao salvar os pecadores, Deus tinha planejado que Seu Filho morresse de um modo que denotasse maldição. Por isso Cristo morreu enquanto os romanos estavam no poder. Se Ele tivesse morrido sob a lei judaica teria sido apedrejado. Mas Deus decretara que Seu Filho morreria numa cruz, e as Escrituras tinham predito este tipo de morte. Por isso, na providência divina, Cristo morreu numa cruz romana, como sinal de que estava sendo amaldiçoado por Deus. Foi mais do que o sofrimento físico que Jesus suportou por nós; Ele sofreu a separação de Deus. Na cruz, o Pai deu as costas ao Filho, porque Ele fora feito pecado por nós. O Pai estava desprezando Seu Filho por um pouco, para que não pudesse, justamente, nos desprezar para sempre. Se Deus tivesse ficado com Cristo na cruz, ajudando-O a levar nossos pecados, Ele não poderia nos ter redimido. Para salvar-nos era preciso que fosse desprezado e castigado por Deus e isto foi o que constituiu Seu sofrimento maior. "Aquele que nem mesmo o seu próprio filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com Ele todas as coisas?" Romanos 8:32.

Jesus estava em exílio do céu, durante Seu tempo aqui na terra. O céu era Seu lugar próprio e de direito, onde partilhava toda a glória de Deus Pai. Enquanto estava aqui Ele falava da glória que tinha com o Pai antes da fundação do mundo. Devemos observar que depois de Sua ida para o Calvário nenhuma palavra lhe foi dirigido do céu nem da parte do Pai. O céu ficou como chumbo sobre Sua cabeça. Nenhuma ajuda apareceu em resposta a Seu grito. Era muito fácil para nosso Senhor ouvir de casa (o céu), antes de ir para a cruz. Por ocasião de Seu nascimento, miríades de anjos desceram de lá para celebrar o grande evento. Talvez tivessem cantado os hinos que Ele os ouvia entoar no céu ao redor do trono. No Seu batismo, o Espirito Santo desceu do céu em forma de pomba e a voz do Pai foi ouvido dizendo: "Tu és meu filho amado, em ti me tenho comprazido". Lucas 3:22. No monte da transfiguração a voz do Pai fez-se ouvir novamente: "Este é meu filho amado; a ele ouvi". Lucas 9:36. E durante toda a Sua jornada terrestre Jesus estava sempre em toque com o Pai. Ao orar na noite silenciosa nosso Senhor podia ouvir o Pai falando com Ele. Quando Seus inimigos vieram prendo-lO disse-lhes que podia pedir ao Pai e Ele mandaria legiões de anjos em Sua defesa. Mas na cruz Deus não dirigiu nenhuma palavra a Seu Filho. O céu ficou em silêncio. As três horas de trevas simbolizaram esta separação de Deus. O Pai estava fazendo Seu Filho ser pecado por nós, e portanto, não podia sorrir, nem mesmo olhar para o pecado com um pouco de misericórdia. Deus não poupou Seu próprio Filho ao vê-lO no lugar do pecador. Tudo o que um Deus justo e santo pode fazer com o pecado é puni-lo e derramar Sua ira sobre ele. Se Deus nos desse o que merecemos, não seria salvação, e sim Sua ira. Jesus Cristo, o Filho de Deus, veio e Se expôs a esta ira que nos estava reservada, para que nós, os crentes, pudéssemos receber as bênçãos devidas a Seu Filho. Sim, bendito seja o nome de Jesus, pois Ele tomou nosso lugar como pecadores, para que pudéssemos ter o lugar de filhos na casa do Pai. Ele tomou nossa culpa, para que pudéssemos ter o direito de ficar diante de Deus. Sim, Ele trocou de lugar conosco: Ele Se fez pecado por nós, para que pudéssemos ser justificados diante de Deus. É apropriado para nós cantarmos com Charlotte Elliot estas estrofes, que de modo tão lindo e comovente expressam as experiências e esperanças dos redimidos:

  1. "Tal qual estou, eis-me, Senhor,
    Pois o teu sangue remidor

Verteste pelo pecador;

Ó Salvador, me achego a Ti!"

2. "Tal qual estou, sem esperar,

Que possa a vida melhorar;

Em Ti só quero confiar;

Ó Salvador, me achego a Ti!"

3. Tal qual estou, e sem poder,

As faltas podes preencher

E tudo quanto me é mister

Ó Salvador, me achego a Ti!"

4. Tal qual estou me aceitarás,

E Tu minha alma limparás,

Com Teu amor me cobrirás;

Ó Salvador, me achego a Ti!"

Sim, o Senhor Jesus Cristo trocou de lugar conosco. Ele tomou nosso lugar na culpa do pecado para que pudéssemos nEle, estar sob a graça. ALELUIA, QUE SALVADOR!


Mensagem oferecida pela

PRIMEIRA IGREJA BATISTA DO JARDIM DAS OLIVEIRAS

Rua Dr. João Maciel Filho, 207: 60.821-500 Fortaleza, CE

Pastor David Zuhars

Fonte: www.Palavraprudente.com.br/batistacatanduva