Cap 9 - O Tabernáculo

O Tabernáculo e O Sacrifício de Cristo

É útil estudar sobre o tabernáculo por que a nossa fé é alimentada pelo estudo de tudo que foi antes escrito (Romanos 15.4, “Porque tudo o que dantes foi escrito, para nosso ensino foi escrito, para que pela paciência e consolação das Escrituras tenhamos esperança.”; I Pedro 2.2, “Desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo”; João 5.39, “Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam;”). Por isso convém estudar o que diz a Bíblia do tabernáculo.

O tabernáculo foi o lugar de sacrifícios. O altar de bronze (ou de cobre) foi o primeiro dos móveis encontrados no pátio do tabernáculo para aquele que quis aproximar-se a Deus. Neste altar foram sacrificados os animais das ofertas trazidas pelo povo e os cordeiros que os sacerdotes ofertaram cada manhã e tarde (Êxodo 29.36-43). Estes sacrifícios foram queimados no altar de bronze e o sangue dos animais sacrificados foi espalhado ao redor dele (Levítico 1.3-5). Esses sacrifícios foram oferecidos pelo povo tendo fé no Cordeiro de Deus que definitivamente viria um dia, para a expiação definitiva dos seus pecados. Imagine quanto tempo diário foi ativo este altar! Umas três milhões de pessoas ofertaram os animais para serem a expiação dos seus pecados constantes. O fogo contínuo do altar manifestava o preço terrível do pecado e lembravam o povo constantemente da abominação que o pecado é para o Santo Deus. O salário do pecado é a morte (Romanos 6.23). A necessidade de trazer uma oferta pelos pecados martelava continuamente o quanto pecaminoso é o pecador (Romanos 7.13; Hebreus 9.6-9). O altar e os sacrifícios oferecidos nele verdadeiramente apontaram a Jesus Cristo. Deus tem estabelecido o fato que sem sangue não há remissão (Gênesis 3.21; 4.3, 4; Hebreus 9.16-22). Hoje, somente com sangue do Inocente, pode o pecador arrependido chegar ao perdão (Isaías 53.10, 11; 55.6, 7). A cruz no monte Calvário era o altar sobre qual Jesus Se deu, derramando o Seu sangue para ser a expiação de todos os pecados de todos que crêem nEle (Efésios 2.12-18). Essa expiação é eterna, tanto de dia quanto de noite eternamente (Hebreus 9.11-15; 10.8-14). Se alguém hoje deseja aproximar-se de Deus, tem que passar com fé no sacrifício de Jesus Cristo que foi dado no altar da cruz. Cristo é o Justo dado no lugar dos injustos, para levá-los a Deus (I Pedro 3.18). É o sangue de Cristo que nos resgata da nossa vã maneira de viver (I Pedro 1.18-23). Para os salvos o altar dos holocaustos significa muito também. Ensina-nos que eles foram comprados de bom preço e, portanto, devem muito a Cristo. Podem pagar essa dívida pelo sacrifício de si mesmo no Seu serviço (I Coríntios 6.20; 7.23; Gálatas 2.20). Sem sacrifício diário de si, não há serviço prestado a Deus pois é necessário levar a sua cruz continuamente para seguir nas pisadas do Salvador (Marcos 8.34-38; I Pedro 2.21-25). Como veio a sua salvação? Tem o que o sacrifício de Cristo comprou? Pela fé agora já entra na presença do Santo Deus pelo sacrifício idôneo: o sacrifício de Cristo. Já conhece Cristo? Como vai o sacrifício contínuo de si mesmo para a Sua causa? “Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome a sua cruz, e siga-Me” (Marcos 8.34).

 

Autor: Pr Calvin Gardner
Ortografia e correção grammatical: Brenda Lia de Miranda 04/2007
Fonte: www.PalavraPrudente.com.br