Cap 27 - O Tabernáculo

O Altar de Cobre, ou do Holocausto

Êx 27.1-8; 38.1-7; Hb 10.1-14

Por que estudar o Tabernáculo?

É útil estudar sobre o tabernáculo por que a nossa fé é alimentada pelo estudo de tudo que foi antes escrito (Romanos 15.4, “Porque tudo o que dantes foi escrito, para nosso ensino foi escrito, para que pela paciência e consolação das Escrituras tenhamos esperança.”; I Pedro 2.2, “Desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo”; João 5.39, “Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam;”). Por isso convém estudar o que diz a Bíblia sobre tabernáculo.

O Cobre ou O Bronze

Às vezes, nas versões diferentes da Bíblia, a palavra bronze é usada no lugar da palavra cobre para descrever a mesma coisa. São palavras similares. Similar por que o bronze ou latão é uma liga de estanho (0-1%), zinco (14-22%) e de cobre (63-85%). Pela proporção do cobre ser maior nessas ligas, o bronze pode ser traduzido pela palavra cobre. Às vezes o bronze, quando com uma grande proporção de zinco, é traduzido latão reluzente (Ap 1.15; 2.18).

Cristo e o Altar do Holocausto

O Significado de Cobre ou Bronze no tabernáculo é julgamento, pois muitas das vezes que a palavra ‘bronze’ ou ‘cobre’ é usada pela Bíblia ela é usada num caso de julgamento. Lembramo-nos que a serpente ardente, ou seja, feita de metal reluzente (bronze), levantada no deserto representava Cristo levantado na cruz, na ocasião que foi moído pelas transgressões de todo pecador que se arrepende e crê nEle pela fé (Nm 21.7-9; Jo 3.14-19).

Desde que no rolo do livro, o princípio dele, está escrito de Cristo (Sl 40.7; Hb 10.7), e por causa das Escrituras testificam de Cristo (Jo 5.39), devemos procurar Cristo no Altar do Holocausto. Quer dizer, se desejamos manejar bem as Escrituras, procuraremos por Cristo em toda parte do Tabernáculo.

Na entrada da Porta Única do Tabernáculo, imediatamente e assim que entre, se encontra o Altar do Holocausto (termo usado 18 vezes pela Bíblia) que é também conhecido como o Altar de Cobre (Ex 38.30; 39.39; I Rs 8.64; II Rs 16.14, 15; II Cr 1.5, 6); Altar de Bronze, Ez 9.2, e Altar dos Holocaustos (I Cr 16.40). É a primeira peça vista das sete peças dos móveis do Tabernáculo.

A colocação do Altar do Holocausto logo na entrada deste lugar onde Deus habita com Seu povo ensina verdades. O pecador arrependido que deseja entrar na presença de Deus, tem que passar pelo julgamento dos seus pecados primeiramente. Não há como negar tal fato pois Cristo é a Primeira e a Última mensagem da Palavra de Deus (João o Batista, Mt 3.2; Jesus 4.17; os apóstolos, I Co 15.1-4; o Alfa e o Ômega, Ap 1.4-8). Se os seus pecados não forem tratados em Cristo primeiramente, não há esperança de comunhão com Deus (Jo 14.6; At 4.12; Rm 5.12; I Co 3.11).

O Altar do Holocausto sendo feito de madeira de acácia e coberto de cobre representa Jesus tanto como o sacrifício quanto o altar. A sua humanidade é simbolizada na madeira de acácia, e a Sua divindade, que sustentou a Sua natureza humana no juízo, é simbolizada pelo cobre que cobriu a madeira (J. Gill). Deus preparou o sacrifício idôneo com um corpo (Hb 10.5, 10). Se qualquer pecador tiver a mínima esperança de entrar na presença de Deus, a primeiríssima necessidade é tratar com seus pecados, e isso é exclusivamente pelo corpo de Jesus Cristo. Sim, se estiver cansado da opressão do pecado, venha “a Mim”, diz o Cordeiro de Deus (Mt 11.28; Jo 1.29, 36).

O fogo neste Altar do Holocausto era constante, pois os holocaustos eram constantes. Além dos sacrifícios trazidos durante o dia todo, os sacerdotes ofereceram “dois cordeiros de um ano, cada dia, continuamente”. Um cordeiro foi oferecido pela manhã, e o outro cordeiro foi oferecido à tarde (Ex. 29.38, 39). Deus desejava um contínuo e ativo sacrifício para Lhe agradar. Desde que o homem é um pecador contínuo, ele necessita um sacrifício contínuo. Nisso Cristo é tudo que Deus requer e sempre tudo que o pecador necessita. Cristo é a eterna redenção. Ele ofereceu-se a Si mesmo imaculado a Deus, “uma vez”, “pelo Espírito eterno”, e está assentado à destra de Deus havendo oferecido “para sempre um único sacrifício pelos pecados” (Hb 7.25-28; 9.13, 14; 10.10-14). Quem tem os pecados julgados por Cristo tem vida eterna!

Podemos também entender pelo fogo constante que o pecado, aonde for achado, é sempre julgado. “A alma que pecar essa morrerá” (Ez 18.20). O pecado é sempre odiado pelo Deus em Quem não há trevas nenhumas (I Jo 1.5). Não há outro fim do pecado a não ser a separação de Deus eternamente (Rm 6.23). O sangue dos sacrifícios dados neste Altar do Holocausto nunca podia purificar as consciências dos que os ofereceram. Mas o sangue de Cristo, que pelo Espírito Eterno, Se ofereceu a Si mesmo imaculado a Deus, por Esse sacrifício eterno, tanto os pecados são lavados quantos são purificadas as consciências. Sendo lavado e purificado por Cristo, os salvos são incentivados a serví-LO com todo louvor de gratidão (Hb 9.13-15; 10.19-25).

As quatro pontas nos seus quatro cantos neste Altar do Holocausto representam a salvação por Cristo. As pontas são tanto um adorno como também auxílio para segurar o sacrifício (Sl 118.27). Simbolizaram a força de santidade. Sobre elas foi posto o sangue dos holocaustos (Ex 29.12; Lv 4.7-34). Portanto, quem oferece um holocausto com fé na representação do sacrifício, a força do sacrifício para com Deus estaria com tal pecador arrependido. Há um caso bíblico de um, sem ter um coração verdadeiro para com o Altar, que buscou a força e proteção das pontas, mas este foi destruído (Joabe, I Reis 2.25-34). Outro, com um coração reto, foi confortado (Adonias, I Rs 1.51-53). Não era somente a ação para com o Altar necessária, mas um coração reto para com Deus para conhecer pessoalmente o benefício da força da santidade que vem pelo sacrifício de Cristo.

As quatro argolas e os varais de madeira de acácia e cobertos de cobre representam o fato que aonde o povo de Deus for e aonde for a presença de Deus o julgamento e sacrifício do pecado vão juntos. Sempre que o povo de Deus ora ao seu Pai Celestial, adora o Deus em Espírito e em verdade, ou de outra forma comunga com Deus onde tudo é feito “em nome de Jesus”. É pelo sacrifício de Jesus que oramos pois Jesus abriu pelo Seu corpo o véu que separava-nos do lugar santíssimo. Adoramos a Deus corretamente só se Ele foi julgado por nossos pecados e a nossa comunhão é com o Pai, e com Seu filho Jesus Cristo.

É dito que o Altar do Holocausto era oco e feito de tábuas (Ex 27.8). Oco para receber os sacrifícios e a madeira usada para queimar os sacrifícios. Feita de tábuas, mas essas eram cobertas com cobre. Cristo, o sacrifício, oferecido por Si mesmo, o Altar do julgamento de Deus, pelo pecado posto sobre Ele. Neste sacrifício a Sua humanidade foi exposta ao fogo consumidor de um Deus justo e irado. A Sua humanidade não foi consumida por ser coberta por Sua divindade que O sustentou nessa hora. Temos um verdadeiro sacrifício peculiar em Cristo. Ele não pode ser substituído, imitado, ou descartado por ninguém, seja homem bem intencionado ou religião bem estruturada. A obra da salvação é inteiramente por Jesus, nada restando para o homem fazer. É tudo pela graça, nada pelas obras do pecador. O pecado não julgado em Cristo é o pecado que ainda está descoberto para ser julgado diante de Deus (Jo 3.36, “Aquele que crê no Filho tem a vida eterna; mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece.”). A chamada do Evangelho não é, “Faça”, mas, “Arrependa-se e creia nAquele que ‘fez’” (Jo 19.30, “Está consumado”; Hb 12.2, “Jesus, o Autor e Consumador da fé”). Além do sacrifício de Cristo, o Altar era para ser oco.

Tem sido os seus pecados julgados em Cristo, o Sacrifício idôneo pago no único altar do Holocausto que Deus aceita? Se forem pagos por Cristo, tem uma eterna redenção. Está livre para servi-Lo com consciência limpa enquanto Ele lê da vida.

 

Autor: Pr Calvin Gardner
Ortografia e correção grammatical: Brenda Lia de Miranda 04/2007
Fonte: www.PalavraPrudente.com.br