cap 8 - sERMÃO V2

A IMPORTÂNCIA DA FREQUÊNCIA NA IGREJA

"Retenhamos firmes a confissão da nossa esperança; porque fiel é o que prometeu. E considerem-nos uns aos outros, para nos estimulamos à caridade e às boas obras; não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia", Hebreus 10:23-25.

Este texto é uma grande ordem para a maioria dos pregadores e mesmo assim simples o bastante para os recém-convertidos entenderam. E uma exortação dupla.

Em primeiro lugar vemos que devemos reter firmes a confissão da nossa esperança, sem vacilar. Isto significa que devemos continuar crendo em Jesus de Nazaré como Salvador e Senhor e nunca desistir da boa esperança que está nEle. É a mesma exortação que Pedro dá ao dizer: "E esperei inteiramente na graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo", 1 Pedro 1:13. A esperança é filha dos tempos difíceis. Ela tem que viver num mundo mau. A própria palavra "esperança" implica em problema presente. Significa algo melhor no futuro. Se os benefícios presentes da salvação fossem tudo o que tivéssemos não haveria lugar para a esperança, e a salvação não seria uma bênção e sim uma maldição.

A salvação é de graça por que é sem preço, e não temos que pagar nada; é de graça porque Jesus já pagou tudo, mas vivê-la bem em nossa vida diária é caríssima. Significa uma vida dedicada a Deus e separada do mundo e estas duas coisas andam de mão dadas. Não pode haver dedicação de uma vida a Deus sem a separação do mundo. Deus e o mundo são incompatíveis. João diz: "Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele", 1 João 2:15. Já disseram que se pode falar ao mesmo tempo sobre um demônio celestial com um crente mundano. E isto é verdade vivendo a vida cristã em nossa caminhada diária.

Mas a base para esta exortação é que Deus é fiel ao que prometeu. Deus fez promessas em Seu Filho, e cada crente no Senhor Jesus Cristo pode colocar sua fé e esperança nEle com a certeza de que Deus cumprirá Suas promessas.

Em segundo lugar é uma exortação para considerar em como animar uns aos outros para o amor e para as boas obras. Eis aqui uma pergunta vital que devemos considerar: "Como posso animar meus irmãos em Cristo a amarem e fazerem boas obras?" Importa-lhe como seu irmão vive? Ou você diz que não é de sua conta o que seu irmão ou irmã faz? Este é o espírito de Caim que perguntou: "Sou eu o guardador do meu irmão? É claro que somos todos nós o guardador do nosso irmão, e dizer que não nos afeta o que acontece com eles é ser culpado de um grande pecado.

A FREQUÊNCIA NA IGREJA

O texto que queremos enfatizar é uma cláusula tirada da segunda exortação: "não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia".

Temos aqui um mau hábito; um pecado predominante, e poucos estão cientes da seriedade dele. Mesmo os mais fiéis não acham isto um pecado. Causaria sensação se o pastor falasse os pecados que lhe foram contados sobre os vários membros da igreja. Nomes feios, mentiras, bebedeiras... Diz-se que um incrédulo afirmou certa vez, que se mudasse algum dia, nunca entraria em certos lugares onde encontra alguns dos membros mais importantes. Duvido da veracidade da afirmativa de que são membros importantes. Como é que ele sabe? Ele nunca esteve aqui para saber quem é importante ou não. Mas dar lugar para os inimigos da cruz blasfemem é uma coisa terrivelmente ruim e ai dos membros que fazem isto.

Mas o ponto que desejo enfatizar é que nunca ouvi ninguém mencionar como pecado a falta de freqüência na igreja.

A IMPORTÂNCIA DA FREQUÊNCIA NA IGREJA

1. É uma ordem de Deus. Não é só um mero conselho. Não é algo optativo; é tão obrigatório quanto qualquer um dos mandamentos feitos por Ele.

Não é simplesmente o desejo do pastor; é uma ordem de Deus a qual não se pode menosprezar. Pigarrear, gaguejar e dar desculpas é responder a Deus. "Mas ó homem, quem és tu, que a Deus replicas". Neste versículo Deus e o homem são apresentados num contraste bem delineado, Deus em sua infinita grandeza, santidade, poder e sabedoria, o homem, em sua pequenez e ignorância infinitesimal. No grego há uma ênfase forte no "tu". Mas, ó homem, quem és tu, que a Deus replicas". Será um dia feliz para alguns de nós se Deus marcar este texto em nossos corações, para que nunca possamos esquecê-lo. Se Deus deixar por nossa conta criticá-lO e por objeção aos Seus mandamentos isto nos será fatal. E Deus pode fazer tal coisa. Atos 14:16 e Romanos 9:18. Ó homem, quem és tu afinal de contas? E quem é Deus?

Como indivíduo, o homem é só um dos mais de 2 bilhões e 500 milhões de seres humanos que habitam o globo terrestre. E o que é este globo ao qual chamamos terra? Nada mais que um pontinho nesta parte do universo que conhecemos. A terra é tão pequena que se o sol fosse oco, poderíamos enchê-lo de 1.200.000 terras como a nossa e ainda haveria espaço para usá-lo como chocalho. O sol também é muito pequeno se o compararmos com algumas outras estrelas cujas medidas foram tomadas recentemente. E sabemos que ainda há 255 milhões destes mundos imensos que chamamos estrelas e foi Deus que as fez. Será que você tem coragem de desafiar a Deus e dizer que Seus mandamentos são ofensivos?

2. É uma maneira de nos encorajarmos mutuamente: "Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros". De todas as pessoas, as que mais precisam de ajuda e encorajamento, são aquelas que amam sua igreja e querem vê-la prosperar em sua obra para Cristo. A igreja é uma fábrica para Cristo, e todos os membros precisam estar em seus postos. A igreja é uma escola de instrução religiosa e todos os seus membros devem ser alunos fiéis.

A igreja é um farol para Cristo e cada membro precisa deixar sua luz brilhar diante dos homens, para que eles vejam suas boas obras e glorifiquem a Deus. É pecado colocar nossa luz em baixo do velador ou da cama, e é isto o que as pessoas fazem, quando tentam esconder as coisas boas que fazem. É claro que não precisamos fazer um desfile de nossas boas obras, a fim de receber o louvor dos homens, mas devemos praticá-las diante dos homens, para que Deus seja louvado. Se o motivo for errado ao mostrá-las para nossa própria glória, também é errado escondê-las fingindo humildade.

Se eu apoiar minha igreja ou fizer algo para seu bem, e ninguém souber, como é que isto vai servir de encorajamento para alguém?

Negligenciar a freqüência à igreja, e eu me refiro a freqüência regular, a freqüência a todos os cultos, é a coisa mais ridícula e sem sentido que uma pessoa pode fazer.

É como empregar um mestre de obras e não dar-lhe nenhum pedreiro. Ou como nomear um general sem dar-lhe nenhum soldado. Ou contratar um pastor sem dar-lhe nenhuma ovelha para cuidar. Ou como um líder sem nenhum seguidor. Ou como arranjar um professor sem nenhum aluno para ser ensinado. Ou como um médico sem paciente para ser tratado.

O pastor tem estas várias ocupações em seu ministério espiritual. Ele é pastor, professor, ministro, capitão, e líder das hostes espirituais, mas o que vai fazer sem seu exército? O que um pastor pode fazer sem diáconos? E um superintendente da Escola Dominical sem professor? Ou um pregador sem ouvintes?

Cada membro deve sentir como obrigação estar em seu lugar no banco da igreja, do mesmo modo que o pastor no púlpito. Não há nada que desanime mais o pastor do que enfrentar bancos vazios. Não é a oposição do mundo exterior que fere o coração do pastor; é a ausência daqueles que um dia fizeram uma promessa a Deus.

Acho que nenhum nome pode se destacar mais como representante de devoção a Deus e coragem consagrada do que o de Paulo. Ele foi, pelo menos aproximadamente, tudo o que qualquer ministro fiel espera se tornar. Quase sempre se encontrava no meio de inimigos e mesmo assim, ninguém foi mais dependente do que ele da ajuda compassiva dos seus seguidores. Sabemos como ele lamentou a partida de Demas. Suas palavras parecem molhadas de lágrimas ao dizer: "Porque Demas me desamparou, amando o presente século". E quase nas últimas palavras que escreveu, disse a Timóteo: "Procura vir antes do inverno".

Escrevendo aos Coríntios, o grande apóstolo disse: "Ora, quando cheguei a Troás para pregar o evangelho de Cristo, e abrindo-se-me uma porta no Senhor, não tive descanso no meu espírito, porque não achei ali meu irmão Tito; mas despedindo-me deles, parti para Macedonia". Paulo tinha uma porta aberta em Troás, mas sentia-se tão deprimido com a ausência de Tito, que não podia pregar. Onde está o pregador chamado por Deus, que não entenda o significado da ausência de Tito? Talvez ele seja um diácono de quem o pastor dependa. Ou alguém sem posição oficial, talvez uma mulher santa, cuja freqüência regular, é esperada e quando ausente o pastor entra num estado de depressão. A ausência dos fiéis faz o pastor sentir como se a igreja estivesse vazia.

3. Não pode haver igreja sem a freqüência do povo. A palavra "igreja" significa assembléia; e assembléia é uma congregação de pessoas. Se os membros não se reunirem, não poderá haver uma igreja.

Talvez haja uma igreja sem dinheiro, porque os membros podem se reunir nas casas, em baixo das árvores ou mesmo ao ar livre, mas não pode haver uma igreja sem os membros se reunirem. Estou dizendo isto, não para diminuir o valor do dinheiro, mas para magnificar a freqüência à igreja.

Em algumas igrejas pode haver os que dão ofertas enormes, os quais parecem tão importantes, porém o mais importante é a freqüência regular deles na igreja. Precisamos de membros fiéis que se reúnem conosco.

Falo de coração ao dizer que se você puder dar dinheiro e vir à igreja ao mesmo tempo, se tiver que deixar de fazer um dos dois, então deixe o dinheiro de lado e venha à igreja!

 

Autor: C. D. Cole
Fonte: www.PalavraPrudente.com.br