cap 25 - SERMÃO V2

"MAS UMA COISA FAÇO"

"Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim", Filipenses 3:13.

INTRODUÇÃO

Paulo está nos dando sua filosofia de vida. Ele está permitindo que descubramos o segredo de sua vida e nos dizendo o que o fez o tipo de crente que foi. Conta-nos como viveu sua vida em relação ao passado, presente e futuro. Quando ao passado, havia um esquecimento sábio: "esquecendo-me das coisas que atrás ficam"; quanto ao futuro, uma antecipação sábia: "avançando para as que estão diante de mim"; e no presente uma concentração perseverante. E estas coisas são as que fazem o sucesso em qualquer campo do esforço humano.

Há duas verdades distintas, mas paralelas nas quais cada crente precisa ser firmado: a soberania de Deus, incluindo Seu propósito eterno na graça; a outra, a responsabilidade do homem envolvendo o arrependimento e a fé, e boas obras. Negar qualquer uma delas vai levar inevitavelmente à paralisia espiritual e morte dos crentes.

O fatalismo nega a responsabilidade humana no que se refere ao arrependimento, fé e boas obras. Isto resulta em paralisia missionária e morte dos crentes. O Arminianismo nega a soberania divina e graça especial na salvação, as quais produzirão o mesmo resultado, a menos que interesse seja mantido pelo medo ou amor pela recompensa do homem.

Se quiser interesse nas coisas espirituais, às quais sobreviverão ao teste do tempo e não dependerão de recompensas humanas, nem medo servil, então encontre uma pessoa que tenha convicção das verdades da soberania divina e responsabilidade humana. O homem é uma criatura responsável, ele é responsável para amar e confiar em Cristo e obedecê-lO, responsável para fazer tudo o que ordena a qualquer um fazer; mas também é uma criatura depravada, um inimigo de Deus, ignorante das coisas divinas, por isto o Evangelho lhe é encoberto, mesmo quando pregado por um Paulo. Ele deve fazer tudo o que é certo, mas não pode fazer nada assim, a não ser que pela graça de Deus.

Paulo certamente tinha estas convicções e elas explicam sua humildade diante de Deus e seu trabalho incansável pela salvação dos homens.

É preciso lembrar que os homens se tornam bons crentes do mesmo jeito que se tornam bons médicos, bons mecânicos ou eruditos de fama; pela concentração perseverante para com a tarefa de sua profissão. Mas o mistério é que mesmo sabendo que não podem ser bons carpinteiros, ou médicos, ou enfermeiras, ou músicos sem certos hábitos e práticas, parece que as pessoas pensam que podem se tornar bons crentes sem qualquer esforço e sem qualquer senso de responsabilidade. Ninguém poder ser um bom crente por tendência ou por seguir uma correnteza de menor resistência. E, por outro lado, ninguém pode ser um bom crente por seu próprio esforço. Nosso texto sugere como alguém pode ser um bom crente.

1. FAÇA DO OBJETIVO DE DEUS SEU OBJETIVO

Deus tem um objetivo ou propósito em sua conversão. Descubra este objetivo e faça com que seja o seu também. Este objetivo para Paulo foi a perfeição; um caráter como o de Cristo e que agrada Deus. Ele começou uma boa obra em você com o propósito de torná-lo afinal igual a Seu Filho. Seu alvo é este; está tentando ser como Cristo? Para Paulo esta não foi uma aquisição para se vangloriar, mas uma meta a ser alcançada. Ele diz que mesmo sem ter atingido a perfeição, estava prosseguindo, "para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus".

A providência de Deus em nossa vida deve contribuir para a perfeição. Para isto toda a disciplina da vida é posta em funcionamento. Para isto experimentam-se alegrias e tristezas. Para isto acendem-se esperanças, medos e amores. Para isto fomos redimidos. Para isto Cristo viveu, sofreu e morreu. Deus quer nos fazer iguais a Ele, isto é; fazer-nos de conformidade com Sua vontade manifestar em Seu Filho, e por isso todos os Seus modos de tratar conosco são para finalmente nos fazer iguais a Cristo.

Ver e aceitar isto dará nobreza e bênçãos às nossas vidas. Como toda nossa estimativa dos acontecimentos seria diferente, se mantivéssemos diante de nós que o propósito de Deus não é simplesmente o de nos fazer felizes e alegres, ou tristes e desanimados, mas sim nos fazer iguais a Cristo! Se pudéssemos olhar além de nossas tristezas ao fim pela qual foram mandados, não diríamos com tanta freqüência: "Por que isto está acontecendo comigo?" Todas as experiências do crente são para contribuir para a perfeição futura e glória eterna. Leia Romanos 8:28, à luz desta afirmação: "E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus; daqueles que são chamados por seu decreto".

Algumas plantas precisam congelar, a fim de produzirem sabor; do mesmo modo os crentes precisam de tristezas e problemas para produzir neles graças e virtudes cristãs. Romanos 5:3 nos diz: "E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações, sabendo que a tribulação produz a paciência".

Fazer do objetivo de Deus o nosso nos salvará da prostituição dos poderes. A prostituição dos poderes humanos para objetivos indignos e ignóbeis é a coisa mais triste de toda a humanidade. Por exemplo: o governo de Hitler, na Alemanha. Paulo ia prosseguindo em sua luta pela perfeição. Pelo que você está lutando?

Muitos de nós podemos dizer que estamos prosseguindo. Mas para a que? Alguns aparecem num registro de crime; outros por riqueza, fama, posição, saúde ou educação.

Mudando a figura levemente, há um alvo e cada flecha que não acerta a mosca é gasta em vão.

2. CONCENTRAÇÃO DE TODOS OS ESFORÇOS NESTE ÚNICO OBJETIVO

"Mas uma coisa faço". Paulo concentrou-se numa única coisa, a perfeição.

Todas as ocupações legítimas na vida são consistentes com este único objetivo. Se você estiver comprometido com qualquer tipo de negócio inconsistente com a luta pela santidade, é melhor desistir dele.

Não é fácil prosseguir na vida cristã. Deve haver concentração de todos os nossos poderes. Deve haver mira e alvo em nossa vida. Se você quiser cavar um buraco, vai usar um instrumento bem amolado, não um cego. A concentração de esforços, tendo como objetivo a santidade cristã dará mira e alvo à nossa vida. A palavra dominante é: "Mas uma coisa faço".

A diferença entre o amador e o profissional é que o amador se dedica a alguma coisa em intervalos, ele tira folga para outras ocupações, a fim de fazê-las. O profissional faz de sua profissão sua própria vida.

3. DEDIQUE-SE A ESTE FIM COM UM SÁBIO ESQUECIMENTO

"Esquecendo-me das coisas que atrás ficam. Paulo está pensando em um corredor, que não tem tempo de olhar por cima do ombro para marcar os passos que já deu. Paulo não está dizendo que devemos esquecer as misericórdias passadas do Deus, e assim deixar de render-Lhe graças. Ele quer que esqueçamos nossas falhas, ou elas nos farão sentir que o sucesso futuro é impossível. Não devemos dizer: "Já tentei tanto e todas as vezes falho. Não adianta tentar mais. Estou derrotado! Desisto! Um esquecimento sábio é não lembrar as tristezas, as falhas, as alegrias e realização passadas, para que não funcionem como peso na corrida cristã e avanço em direção à perfeição.

4. DEDIQUE-SE A ESTE OBJETIVO COM UM AVANÇO SÁBIO E ANSIOSO

A palavra aqui para alcançar é muito impressiva. Ela significa "caminhar para a frente", e nos dá o retrato de um corredor com o corpo inteiro jogado para a frente, sua mão estendida, e seus olhos indo mais longe que a mão, na ansiedade de alcançar a chegada e o prêmio.

Suponha que façamos o esforço de agradar a Deus como fazemos para agradar nosso amigo. Suponha que demos o tempo e o esforço a uma vida santa, como damos para ganhar dinheiro, buscar prazeres ou alcançar a fama. Que diferença haveria em nossa vida!

5. DEDIQUE-SE A ESTE OBJETIVO LEGITIMAMENTE

Paulo diz: "E, se alguém também milita, não é coroado se não milita legitimamente". Há um livro regra para a corrida cristã; um manual do exército para a soldado cristão; um manual para o trabalhador cristão. O livro regra é a Bíblia. Ele nos diz o que fazer, como fazer e por que fazer, 2 Timóteo 2:5.

Devemos olhar o livro regra para ver o que temos de fazer: Tudo o que for mandado. Vamos mencionar algumas coisas; batismo, sustentar a igreja com nossa presença, orações e meios; prover coisas honestas à vista de todos os homens; abster-se das coisas do mundo; a amizade do mundo é inimizade contra Deus; fazer o bem a todos os homens, especialmente aos da família na fé; sujeitar-se aos poderes estabelecidos; pregar o Evangelho a todos os homens.

Devemos fazer estas coisas por amor e para a glória de Deus. Não fazê-las procurando o louvor dos homens, nem para agradar a si mesmo. Não devemos deixar que a mão esquerda veja o que a direita faz, isto é; não devemos nos orgulhar em nada do que fazemos. Não devemos elogiar a nós mesmos, mas sim fazer tudo para o Seu louvor e Sua glória.

CONCLUSÃO

Esta vida é só para o crente, o homem que tornou o lugar de um pecador e que tem sua esperança em Jesus Cristo. Tudo começa com o arrependimento e fé, e é executado quando nos edificamos em nossa fé santa, orando no Espírito Santo, mantendo-nos no amor de Deus e esperando misericórdia. Judas, versículos 20 e 21 diz: "Mas vós, amados, edificando-vos a vós mesmos sobre a vossa santíssima fé, orando no Espírito Santo, conservai-vos a vós mesmos na caridade de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo para a vida eterna".

 

Autor: C. D. Cole
Fonte: www.PalavraPrudente.com.br