Cap 6 - Um Guia de Estudo para o Livro de Êxodo

Êxodo 4

Introdução

Este capítulo conclui a conversa de Deus com Moisés na sarça ardente e nos leva até o Egito, onde Moisés encontra Arão. Note como o relato é feito de maneira aberta. Moisés conta todas suas faltas e fraquezas. Isto é totalmente contrário á natureza humana. A honestidade dos autores bíblicos, mesmo a respeito de suas próprias falhas, é uma forte evidência da que a Palavra de Deus é verdadeiramente inspirada (II Pedro 1:21).

Outra objeção ! versículo 1
Em Êxodo 3:11 Moisés tinha feito a sua primeira objeção ao chamado de Deus. Ele continua a expressar dúvidas quanto à sabedoria do plano de Deus. Não tinha havido mais nenhuma "teofania" desde que o Senhor apareceu á Jacó (Gênesis 35:9-15). Moisés cria que Israel certamente não acreditaria que Deus havia falado com ele. Sem dúvida, a recordação da sua falha anterior (Êxodo 2:14) o assustou.

Mesmo que temos simpatia do Moisés, não podemos justificar suas atitudes. A sua objeção, nada mais era, do que incredulidade nas promessas de Deus (Êxodo 3:18). Ele ainda tinha que aprender, que para Deus, todas as coisas são possíveis.

I. O Primeiro Sinal ! versículos 2-5

Deus acompanha a revelação de verdades novas com sinais. Uma das maiores demonstrações de sinais no Velho Testamento ocorreu durante o ministério de Moisés. Ele escreveu os primeiros cinco livros da Bíblia, que coletivamente são chamados de "A Lei". Eles são o fundamento da Velha Aliança e de todas as demais revelações. Era imperativo que sinais autenticassem o ministério de Moisés (versículos 4 e 5).

E quanto ao significado simbólico deste primeiro sinal? Os professores da Bíblia têm sugerido várias interpretações, mas eles falham em apresentar provas. Uma das coisas que nós sabemos, é que os sinais feitos por Moisés, tinham a finalidade de julgar os deuses do Egito (Números 33:4, Êxodo 12:12). As serpentes eram temas populares na religião dos egípcios com varias seitas dedicadas a elas. Agora, como depois nos outros sinais, Deus afirmava a Sua soberania sobre os deuses de Egito.

II.  O segundo sinal ! versículos 6-8

Deve ter havido aqui algum significado cultural ou religioso do qual nós não somos informados. Sabemos que a lepra era grandemente temida no mundo antigo. Neste sinal Deus está afirmando o seu poder sobre a vida e a morte.

III.  O Terceiro Sinal ! versículo 9

Neste sinal o aviso para o Faraó é intensificado. O rio Nilo era a base da vida religiosa e física do Egito. Ao transformar a água em sangue, Deus estava revelando o Seu poder sobre a fonte de vida do Egito e dos seus "muitos" deuses.

Na América moderna nós falamos da "mãe terra" ao invés de múltiplos deuses. Nós confiamos na tecnologia para produzir grandes colheitas. Nós, como o Egito, esquecemos de que há um Deus no céu que tem a abundância da natureza em Suas mãos. Ele pode abençoar com fartura ou fazer minar os melhores esforços na tentativa de sermos o nosso próprio provedor.

IV. Ainda Duvidando ! versículo 10

Como é difícil o homem confiar em Deus, mas como é fácil ele achar que o sucesso vem da sua habilidade natural. É triste ver como duvidamos da habilidade de Deus em usar Seus instrumentos. Temos dificuldades em reconhecer que a nossa fraqueza é o instrumento favorito de Deus (II Coríntios 12:7-10).

(Como podemos conciliar Êxodo 4:10 com Atos 7:22? Moisés havia sido tornado desatualizado na linguagem do Egito ou Estevão estava se referindo ao conteúdo e não a eloqüência do discurso dele? Esta é mais uma questão de curiosidade do que de valor prático).

V. Uma Ajuda para a Fé ! versículos 11-12

Lembre-se que Deus é o nosso criador e por meio dEle muitas provas de fé são vencidas. Hebreus 11 relata o grande triunfo da fé, mas primeiramente mostra a importância do fato que Deus é o criador (Hebreus 11:3). Nosso Senhor usou esta lógica em Mateus 6:25-33. O Deus que tem poder para Criar, tem certamente poder para sustentar as suas criaturas.

Deus, em sendo o criador, sabe qual é a melhor das suas criaturas para ser usada em determinada situação. Na verdade, Deus planejou criar cada um dos seus santos com um propósito final em Sua mente (Efésios 2:10).

VI. Pecando ao falar ! versículo 13

Provavelmente Moisés queria dizer assim: "faça como lhe agrada, mas não me culpe pelos resultados". Ao mesmo tempo em que é chocante pensar que o homem possa falar desta maneira com Deus, nós somos todos culpados deste tipo de atitude, principalmente quando as coisas não saem como nós esperávamos.

VII. A Ira de Deus ! versículo 14-17

A falta de fé desagrada e provoca muito a Deus. Muitos pensam que nesta ocasião Moisés perdeu a honra de fazer o trabalho sozinho. Isto é sem dúvida um erro. Deus tem constantemente enviado homens aos pares (Lucas 10:1). O que Moisés perdeu foi a honra de acompanhar a Deus com uma fé inquestionável. Ele não foi o primeiro e nem será o ultimo a fazer isso (João 20:29).

(O versículo 16 deixa claro que Moisés sempre ocuparia uma posição de liderança. Deus falaria á outros através de Moisés. Houve muitas ocasiões em que os homens se esqueceram disso. Veja Números 12 e 16).

VIII. Cortesia ! versículo 18

Note o respeito de Moisés para com seu Sogro. A piedade nos ensina como tratar o nosso semelhante (Êxodo 20:10, Romanos 13:7).

IX. Mais Conforto ! versículo 19
X. No Caminho ! versículos 20-21

Ao passo que estudamos as fraquezas de Moisés, não podemos esquecer da grandeza de sua fé. Quantos montariam num jumento e viajariam para confrontar um dos homens mais poderosos da terra, sem levar nada, exceto a confiança em Deus? A tarefa que estava diante de Moisés só poderia ser realizada pelo poder sobrenatural. Mesmo os maiores dos santos são uma mistura de fé e falta de confiança.

Note que no versículo 2 Deus pediu a Moisés aquilo que estava em sua mão. Era simplesmente uma vara utilizada por pastores de ovelhas. No versículo 20 ela é chamada de a "vara de Deus". "O pouco é muito quando está nas mãos de Deus".

XI. Julgamento Justo ? versículos 22-23

No versículo 21, Moisés é avisado de que Faraó não daria atenção a sua mensagem. Os versículos 22 e 23 o expõem o julgamento que aguardava esta rebelião. Israel é o primogênito de Deus. Caso o Faraó se recusasse a libertar Israel, seu filho primogênito seria morto. Este é o que certamente ocorreu (Êxodo 12:29-30).

XII. Uma lição para os Obreiros de Deus ! versículos 24-26

Enquanto Moisés levava sua família para o Egito, Deus lhe ensina uma lição importante. E aconteceu no caminho, numa estalagem, que o Senhor o encontrou, e o quis matar. Isto pode ter ocorrido através de uma grave doença ou talvez pela visita de um anjo executando juízo. De qualquer forma, tanto a consciência de Moisés quanto a de Zípora lhes indicou o motivo daquele julgamento. Moisés havia negligenciado a pratica da circuncisão em seu filho, que era para ser um ato de obediência á ordem de Deus. A passagem deixa claro que a causa desta desobediência foi por Moisés ceder a opinião negativa da sua esposa pelo rito.

Zípora nunca pareceu ter sido um apoio espiritual para Moisés. Ele teve a sua vida salva apenas pela circuncisão forçada que ela executou em seu filho. O desprazer dela, em ser forçada a fazer isso, ficou mais que evidente. Mesmo o julgamento de Deus não lhe ensinou nada. Note algumas lições importantes que podemos aprender deste evento:

Os líderes cristãos necessitam ter a sua casa em ordem (I Timóteo 3:4-5). Moisés não podia continuar na obra de Deus até que lhe obedecesse.

Moisés aprendeu aqui a seriedade do pecado (Gênesis 17:14). Ele seria usado mais adiante como um instrumento de Deus no julgamento do pecado do Egito. E mais tarde ainda, ele traria a santa lei de Deus para Israel. Ele deveria, em primeiro lugar, ser lembrado da terrível santidade da lei de Deus e do horrendo julgamento do pecado. O Senhor é tão puro, que todo pecado lhe é uma afronta. O servo de Deus, que não leva a sério a gravidade do pecado, nunca pregará de forma eficiente a lei ou o evangelho.

Moisés aprendeu, como nós devemos aprender, que Deus deve ser obedecido acima de tudo e de todos (Mateus 10:37). Quantos permitem que outros os levem a pecar. Um cônjuge rebelde não nos dá a liberdade de pecar e desobedecer a Deus.

XIII. Arão ! versículos 27-28

Arão era três anos mais velho do que Moisés. Ele se tornou seu ajudador, mas nunca se igualou á Moisés como um santo.

XIV. Israel é Informado ! versículos 29-31

Pela primeira vez, em duzentos e dez anos, Israel recebeu uma mensagem de Deus (Gênesis 42:2). Eles creram em Deus e humildemente O adoravam. Infelizmente, eles falharam em perceber que as dificuldades seriam grandes. A obra de Deus raramente é algo fácil. Muitos se regozijam da promessa de vitória, mas logo tornam atrás quando a batalha começa.

 

Autor: Pr Ron Crisp
Tradução: Eduardo Alves Cadete 07-03
Revisão: Calvin Gardner 09-03
Fonte: www.palavraprudente.com.br