Cap 36 - Um Guia de Estudo para o Livro de Êxodo

Êxodo 28:2-43 - As Vestes

Introdução
Êxodo 28: 2-43

Êxodo 28:2 e 40 explica que vestes especiais de !glória e beleza? eram para serem feitas para os sacerdotes. Sabendo que o ofício e trabalho do sacerdote simbolizava a obra sacerdotal de Cristo, é fácil entendermos que as vestes também tinham um significado simbólico.  As vestimentas nas Escrituras muitas vezes representam os deveres e atributos espirituais daqueles que as usam (Efésios 6:13-17, Isaías 11:5).

I. Os Sábios de Coração ! versículos 2-5

Deus concedeu á certos indivíduos a habilidade para fazer o que era necessária na Sua obra. Estas pessoas dotadas deviam cumprir explicitamente as ordens do Senhor. Assim também, hoje em dia, os Cristãos são abençoados com dons espirituais que os capacitam a servir em várias áreas da igreja.  Da mesma forma, nós também devemos seguir a orientação das Escrituras em tudo que fazemos. Nós não temos maior liberdade do que aqueles homens !sábios de coração? tinham e não podemos fazer as coisas a nossa própria maneira.

II. O Éfode ! versículos 6-14

O Éfode somente era usado pelo sumo sacerdote. Esta vestimenta era semelhante a um avental duplo fixado por um ?cinto especial? que era assim chamado para distingui-lo do cinto comum usado pelos outros sacerdotes (versículo 40). Tanto o cinto especial quanto o éfode eram confeccionados com o mesmo material utilizado nos véus e nas cortinas interiores do tabernáculo.

O éfode era um símbolo das funções e deveres sacerdotais. Em cada ombro havia uma pedra de ônix fixada por engastes de ouro. Os nomes de cada uma das tribos de Israel estavam gravados nestas pedras. Temos aqui uma preciosa verdade em ilustração. Quando o sumo sacerdote comparecia diante de Deus, ele carregava os nomes do povo da aliança. Ele os representava em seus deveres e intercedia por eles diante de Deus. As pedras estavam nos seus ombros para revelar que sua força estava prometida para o bem estar deles.

Isto tipifica Cristo, que é a força, o representante e intercessor do Seu povo. Nossos nomes estão no livro do Seu decreto e aliança ! o da vida do Cordeiro (Apocalipse 13:8). Ele nos representou no Calvário e agora vive para levar os nossos nomes diante do Pai (João 17:9). Ele é a nossa força e salvação.

O cinto era usado para amarrar o manto para o trabalho ou quando em viagem.  Nas Escrituras, o cinto simboliza força e prontidão.  Cristo é sempre pronto para atuar ao favor do Seu povo (João 13:3-5).  O Seu trabalho e serviço é sempre feito em justiça, querendo Ele abençoar o Seu povo ou julgar os inimigos deles (Isaías 11:5). 

III. O Peitoral ! versículos 15-29

O peitoral tinha aproximadamente 23 centímetros quadrados e era incrustado com doze pedras preciosas gravadas com os nomes das tribos de Israel. Ele era fixado ao éfode e o cinto especial, através de cadeiazinhas de ouro e do cordão azul.

Assim como os nomes gravados nas pedras de ônix revelavam a força do nosso Salvador, estas outras revelam o Seu amor. Nós estamos sempre no coração do nosso grande Sumo Sacerdote (versículo 29) do mesmo modo que as tribos de Israel estavam sobre o coração de Arão. É maravilhoso saber que Cristo intercede por nós porque nos ama. Nós somos Suas jóias (Malaquias 3:16-17). Ele nunca comparece perante o Pai sem levar os nossos nomes em Seu coração.

IV. O Urim e Tumim ! versículo 30

As palavras ?Urim? e !Tumim? significam !luz? e ?perfeição?. Estes objetos que estavam sempre associados ao Éfode e ao Peitoral estavam relacionados com o serviço sacerdotal de discernir a vontade de Deus (Números 27:21; I Samuel 23:9-11 e 28:6; Esdras 2:61-63). Elas revelam Cristo como conselheiro e como aquele que revela a vontade de Deus (Isaías 9:6).

O que estas pedras eram e como elas funcionavam tem sido objeto de extenso debate. Basicamente há duas teorias pelas quais os homens têm feito muitas especulações.

A. Muitos acreditam que o Urim e Tumim eram duas pedras ou objetos guardados no bolso criado pelo duplo peitoral (versículo 16). De alguma maneira isto era usado para discernir a vontade de Deus. Alguns acreditam que elas eram gravadas com um !sim? e um ?não? e de certo modo revelavam a resposta de Deus quando os homens buscavam Sua direção.

B. Outros acreditam que o Urim e Tumim eram simplesmente as doze pedras do peitoral que eram designadas como !luz? e ?perfeição?. O sumo sacerdote o vestia em razão de ser o representante oficial de Israel perante o Senhor. Em virtude da posição do sumo sacerdote, acredita-se que Deus falava ao povo através dele.

Mesmo que o autor se inclina mais para a segunda teoria, não podemos esquecer que Deus poderia perfeitamente ter dado todos os detalhes se Ele achasse conveniente. O importante a ser visto no Urim e Tumim é que Cristo como nosso Sumo Sacerdote é também nosso profeta e revelador da vontade do Pai.

V. O Manto !versículos 31-35

Por baixo do éfode havia um manto azul. Os mantos parecem simbolizar posição, ofício e caráter (Isaías 61:10). Nosso Salvador é descrito vestindo um manto (Apocalipse 1:13).

Por que o manto do sumo sacerdote era azul? Era para nos lembrar da origem celestial de Cristo? Embora isto seja provável, Números 15:37-40 parece nos dar mais informações específicas. Os filhos de Israel deviam usar cordões azuis a fim de lembrá-los da lei de Deus. Cristo que perfeitamente cumpriu e honrou a lei de Deus é tipificado pelo sumo sacerdote vestindo o manto azul.

Por baixo das bordas do manto eram fixadas, em ordem alternada, romãs azuis, púrpura e carmesim. Campainhas de ouro eram colocadas entre as romãs.

Qual era o significado disto? Talvez seja melhor vermos as romãs como um tipo de frutificação espiritual e as campainhas como um tipo da confissão religiosa. Aprendemos aqui, que diferente dos falsos cristos, nosso Senhor foi perfeito em obras e palavras (João 7:46; Marcos 7:37). Ele foi tudo o que professou ser. Que possamos também nos esforçar para fazer o mesmo (Mateus 5:16).

VI. A Lâmina e a Mitra ! versículos 36-38

Sobre a cabeça do sumo sacerdote estava a !mitra?. Esta palavra vem do hebraico e significa !envolver?. Era provavelmente um tipo de turbante.

Uma lâmina de ouro gravada com as palavras !Santidade ao Senhor? era colocada na sua testa. A interpretação disto não parece difícil. A testa nas Escrituras simboliza a intenção de um individuo. Cristo, nosso Sumo Sacerdote era perfeitamente santo e totalmente devotado à vontade de Deus. Como tal, Ele pode morrer pelos nossos pecados e tornar possível a nossa aceitação diante de Deus (Efésios 1:6). É também através de Cristo que nossos ofertas e serviços são aceitos pelo Pai. Até mesmo nossas orações são dirigidas em nome de !Jesus?.

VII. A Túnica de Linho Fino ? versículo 39

A túnica de linho fino era a roupa mais intima da vestimenta do sumo sacerdote e era a primeira a ser vestida por ele após a sua purificação (Levítico 8:7). O linho fino é símbolo nas Escrituras de retidão (Apocalipse 19:8). Sem dúvida isto serve para nos lembrar que da cabeça aos pés, por dentro e por fora, nosso Salvador era santo (I João 3:5).

VIII. Vestimenta dos Sacerdotes Comuns ! versículo 40-43

Apesar de haver algumas tipologias especiais ligadas ao sumo sacerdote, todo sacerdote Levítico era um tipo do nosso Salvador. Eles eram vestidos de branco para refletir Sua pureza. Nenhuma falta de modéstia era permitida, pois a nudez, desde a Queda do homem, reflete a pecaminosidade da natureza humana.  

 

Autor: Pr Ron Crisp
Tradução:Eduardo Alves Cadete, Janeiro de 2004
Revisão: Joy Ellaina Gardner, Setembro de 2004
Edição: Calvin G. Gardner, 10/2004
Fonte: www.palavraprudente.com.br