UMA CARTA FICTÍCIA PARA OS CRISTÃOS
REMETIDA PÔR SATANÁS.

Marcelo de Oliveira Lima

Levo ao conhecimento de todo cristão que estou trabalhando muito, e embora me pintem (os homens) de uma maneira muito feia, dizendo que tenho pé-de-boi, chifre de bode, rabo e outras coisas mais, entre tanto não sou bem assim. Se você conhece a Bíblia sabe que ela diz que eu posso me transformar, inclusive, em anjo de luz. Na realidade, vou à igreja com mais freqüência que muitos cristãos. Aliás, é na igreja que tenho maiores alegrias, fico muito contente quando vejo que muitos não lêem e nem estudam a Bíblia e transbordo de alegria quando ouço o pregador dizer que não estudou também; eles lêem, mas chego a bater palmas! Fico jubiloso quando o pastor está pregando e muitos cristãos deixam seu lugar vazio; isto me deixa alegre porque sei que eles vão encontrar meus companheiros lá fora e não voltam para ouvir a mensagem, ficando, em conseqüência, fracos na fé.

É claro que fico satisfeito pôr ver crianças e até mesmo adultos escreverem coisas feias nos bancos, nas paredes ou nos banheiros da igreja.

Muitos gostam de rabiscar as revistas e até mesmo as Bíblias. "Que bom!" eu gosto muito de fazer as pessoas se levantarem a todo o momento para irem ao banheiro, ao bebedouro ou à cantina. Bem, na verdade faço questão de acompanhá-las para que não voltem.

Sou eu quem na hora do culto, e das aulas bíblicas levo os cristãos a conversarem. Não deixo ouvir a mensagem, faço os livros caírem no chão e forço as pessoas a dormirem no culto.

Às vezes, não deixo muitos entregarem seus dízimos e, muito menos suas ofertas para o sustento da igreja, principalmente, quando termina o culto, faço as pessoas esquecerem suas bíblias, hinários, bolsas e outros objetos, para irritá-las e não permitir que leiam suas bíblias em casa.

Eu vibro e lucro tremendamente, quando cristãos vão à igreja com roupas indecorosas, sensuais, indecentes e depravadas, e assim tiram à atenção dos visitantes e até mesmo dos membros de sua igreja para que não prestem atenção na mensagem nem louvem e adorem a Deus corretamente. Vaidade meu pecado preferido!!!

Veja como eu atuo na igreja e me preocupo mais do que muitos cristãos. É até crime dizer que sou preguiçoso, não acha?

Vou mostrar a você ainda o que faço. Veja só: levo as pessoas a ficarem frias e sussurro nos seus ouvidos coisas que me ajudam muito. Pôr exemplo: Você está muito cansado, não tem condições de ir à igreja; as campanhas de evangelizo são muito longas e cansativas. É conveniente que não vá. Sair com folhetos para distribuí-los é vergonhoso e humilhante, ninguém vai aceitar. É melhor passear, ir ao cinema, ao teatro e outras coisas mais, do que participar de uma reunião evangelista.  Eu ainda sussurro nos ouvidos que trabalhos de libertação não são coisas de falsos obreiros; pregue sem tocar no nome do diabo, demônio ou do pecado; diga ao pastor que ele está trabalhando demais e deve descansar; cura divina não existe, é ilusionismo, não creia nos pastores que pregam isso. A doença é provação divina.

Terminando, meus caros cristãos, devo dizer-lhes que eu fico muito feliz quando visito sua igreja, porque quando chego lá você sempre me dá oportunidade para que eu faça alguma coisa. Fico triste, apenas, quando vejo a igreja cantar pois lembro-me que fui o primeiro ministro de musica. Por isso me orgulhei e quis ser igual a Deus. Daí ter sido derrubado, perdendo os meus privilégios no céu. Hoje, na igreja, a musica é o que mais odeio, porque sei que nunca mais vou poder dirigir uma congregação cantando. Por este motivo meto a minha colher enferrujada no meio da igreja para não cantarem musicas verdadeiras de adoração que levam a reflexão e meditação acerca da misericórdia, amor, santidade, onipotência, onisciência, onipresença do Deus verdadeiro.

Bem, à medida que você quiser me dar uma oportunidade, eu agradeço, antecipadamente, porque estou sempre presente.

Sem mais, por hoje é só, deixando um abraço de toda minha família infernal do seu inimigo certo, nas horas incertas.

Assinado: SATANÁS


Marcelo de Oliveira Lima mardanvan@ig.com.br